Home » Zoom

A hora de Putin está próxima (Paul Craig Roberts)

9 de January de 2020


Vladimir Putin é o líder mais impressionante no cenário mundial. Ele sobreviveu e ascendeu numa Rússia corrompida por Washington e Israel durante os anos Yeltsin e restabeleceu a Rússia como potência mundial. Ele tratou com êxito da agressão americana/israelense contra a Ossécia do Sul e contra a Ucrânia, incorporando, a pedido da Crimeia, aquela província russa de volta à Mãe Rússia. Ele tem tolerado insultos e provocações intermináveis de Washington e do seu império sem responder da mesma forma. Ele é conciliatório e um pacificador a partir de uma posição de força. 

Ele sabe que o império americano, baseado na arrogância e na mentira, está a fracassar na óptica económica, social, política e militar. Ele entende que a guerra não serve a nenhum interesse russo. 

O assassinato de Qasem Soleimani, um grande líder iraniano, na verdade um dos raros líderes da história mundial, empanou a liderança de Trump e focou os holofotes sobre Putin. O cenário está preparado para Putin e a Rússia assumirem a liderança mundial. 

O assassinato de Soleimani é um acto criminoso que poderia começar a Terceira Guerra Mundial, tal como o assassinato sérvio do arquiduque austríaco desencadeou a Primeira Guerra Mundial. Só Putin e a Rússia, com a ajuda da China, podem travar esta guerra que Washington pôs em movimento. 

Putin entendeu que a desestabilização da Síria pretendida por Washington/Israel visava a Rússia. Sem advertência prévia a Rússia interveio, derrotou as forças por procuração financiadas e armadas por Washington e restaurou a estabilidade na Síria. 

Derrotados, Washington e Israel decidiram ultrapassar a Síria e levar o ataque à Rússia directamente ao Irão. A desestabilização do Irão serve tanto a Washington quanto a Israel. Para Israel, o fim do Irão interrompe o apoio ao Hezbollah, a milícia libanesa que derrotou duas vezes o exército de Israel e impediu a ocupação de Israel do sul do Líbano. Para Washington, o fim do Irão permite que jihadistas apoiados pela CIA tragam instabilidade à Federação Russa. 

A menos que Putin se submeta à vontade americana e israelense, ele não tem outra opção excepto bloquear qualquer ataque de Washington/Israel ao Irão. 

Para Putin, o modo mais fácil e mais limpo fazer isso é anunciar que o Irão está sob a protecção da Rússia. Esta protecção deveria ser formalizada num tratado de defesa mútua entre Rússia, China e Irão, talvez com a adição da Índia e da Turquia como membros. Isto é difícil para Putin, porque historiadores incompetentes convenceram-no de que as alianças são a causa da guerra. Mas uma aliança como esta impediria a guerra. Nem mesmo o insano criminoso Netanyahu e os enlouquecidos neoconservadores americanos, mesmo quando completamente bêbados ou iludidos, declarariam guerra ao Irão, Rússia, China e, se incluídos na aliança, à Índia e Turquia. Isto significaria a morte da América, de Israel e de qualquer país europeu suficientemente estúpido para participar. 

Se Putin for incapaz de se libertar da influência de historiadores incompetentes, que de facto estão a servir os interesses de Washington, não da Rússia, ele tem outras opções. Ele pode tranquilizar o Irão, oferecendo-lhe os melhores sistemas russos de defesa aérea russa, com equipes russas para treinar os iranianos e cuja presença serviria como uma advertência a Washington e Israel de que um ataque às forças russas é um ataque à Rússia. 

Uma vez feito isto, Putin pode então insistir em mediar. Este é o papel de Putin, pois não há nenhum outro com poder, influência e objectividade para mediar. 

A tarefa de Putin não é tanto resgatar o Irão, mas remover Trump de uma guerra perdida que o destruiria. Putin poderia estabelecer seu próprio preço. Por exemplo, este preço poderia ser o renascimento do tratado INF/START , o tratado de mísseis anti-balísticos, a remoção da NATO das fronteiras da Rússia. Na verdade, Putin está posicionado para exigir o que quiser. 

Mísseis iranianos podem afundar qualquer navio americano em qualquer lugar próximo do Irão. Mísseis chineses podem afundar qualquer frota americana em qualquer lugar perto da China. Mísseis russos podem afundar frotas americanas em qualquer lugar do mundo. A capacidade de Washington de projectar poder no Médio Oriente agora que toda a gente, xiitas e sunitas e antigos agentes de Washington como o ISIS, odeia os americanos com paixão é nula. O Departamento de Estado teve de ordenar aos americanos saíssem do Médio Oriente. Como Washington pode contar como uma força no Médio Oriente quando nenhum americano está seguro ali? 

É claro que Washington é estúpido na sua arrogância e Putin, China e Irão têm de considerar isso. Um governo estúpido é capaz de arruinar não só a si próprio como também os outros. 

Assim, há riscos para Putin. Mas também há riscos para Putin em deixar de assumir o comando. Se Washington e Israel atacarem o Irão, o que Israel tentará provocar por algum evento de bandeira falsa como afundamento de um navio de guerra americano para culpar o Irão, a Rússia estará em guerra de qualquer maneira. É melhor a iniciativa estar nas mãos de Putin. E será melhor para o mundo e a vida sobre a Terra a Rússia estar no comando. 
 

Paul Craig Roberts – 04 janeiro 2020

Paul Craig Roberts (born April 3, 1939) is an American economist and author. He formerly held a sub-cabinet office in the United States federal government as well as teaching positions at several U.S. universities. He is a promoter of supply-side economics and an opponent of recent U.S. foreign policy.

Roberts received a doctorate from the University of Virginia where he studied under G. Warren Nutter. He subsequently taught at Stanford University and the University of New Mexico before going to work as an analyst and adviser at the United States Congress where he was credited as the primary author of the original draft of the Economic Recovery Tax Act of 1981. He was the United States Assistant Secretary of the Treasury for Economic Policy under President Ronald Reagan and – after leaving government – held the William E. Simon chair in economics at the Center for Strategic and International Studies for ten years and served on several corporate boards. A former associate editor at The Wall Street Journal, his articles have also appeared in The New York Times and Harper’s, and he is the author of more than a dozen books and a number of peer-reviewed papers.

In 1987 Roberts was invested into the Legion of Honour at the rank of chevalier (knight) by President of France François Mitterrand. He is also recipient of the United States Treasury’s Meritorious Service Award and the International Journalism Award for Political Analysis from the Mexican Press Club.He takes David Irving‘s views on the causes of WW2, and on the Holocaust seriously.

https://en.wikipedia.org/wiki/Paul_Craig_Roberts

Imprima esta página Imprima esta página

Comente esta notícia.

Escreva o seu comentário, ou linque para a notícia do seu site. Pode também subscrever os comentários subscrever comentários via RSS.

Agradecemos que o seu comentário esteja em consonância com o tema. Os comentários serão filtrados, antes de serem aprovados, apenas para evitar problemas relacionados com SPAM.